Poesia – Ruy Espinheira Filho

Jornalista e poeta, mestre em Ciências Sociais, professor adjunto de Letras Vernáculas na UFBA. Publicou: Heléboro, Julgado do Vento, As sombras luminosas, Morte secreta e poesia anterior, Antologia breve, Antologia poética, Memória da chuva, Sob o último sol de fevereiro, O vento no tamarineiro, O Rei Artur vai à guerra, Ângelo Sobral desce aos infernos, O fantasma da delegacia, Os quatro mosqueteiros eram três, Últimos temos heróicos em Manacá da Serra, O Nordeste e o negro na poesia de Jorge de Lima e Poesia Reuni

Soneto de julho
É muito tarde para não te amar.
Tudo o que ouço é o sopro do teu nome.
O que sinto é teu corpo, que consome
— presente, ausente — o meu corpo. Luar

em que me abraso, morro: teu olhar
ofuscando memórias, onde some
um mundo, e outro se ergue. Sede, fome
e esperança. Ah, para não te amar

é tão tarde que tudo é já distância,
que só respiro este luar que me arde,
este sopro sem praias do teu nome,

esta pedra em que pulsa e medra a ânsia
e esta aura, enfim, em que me envolve (é tarde!)
o que és — presente, ausente — e me consome.

 

Soneto da triste fera

Quanto mais o olhar acera,
recrudesce a noite vasta,
restando apenas à fera
as trevas em que se engasta.

Choramos, era após era,
esta carência que pasta
entre escombros de quimera
tudo aquilo que não basta

a nós, esta triste fera
que vê só o duro luzir
desta, mais fera que a fera,

condição que a vergasta:
corpo — o que nos vai trair;
e alma — o que nos devasta!

 

Blind Borges

A vasta e vaga morte, esse outro sonho,
não é só outro sonho: é a mais remota
ilha de ouro a que nossa derrota
nos leva, inexorável, sonho a sonho.

Latidos pelos cães, sonho após sonho,
sonhamos. Esta é a vida, a vela, a rota
do homem: sonhar. E em áurea praia ignota
sonha o que sonha o sonhador, que é sonho.

Isto é o que pulsa em nós: o ansiado ouro
— distante e aqui, no coração —, tesouro
cuja procura tece a nossa sorte;

rumo que a alma singra e sagra em ouro
até chegar enfim a esse tesouro
incorruptível que nos sonha a morte.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *