Governo não descontará ponto de PMs grevistas

O dia de trabalho dos policiais militares que não retornaram às atividades na última sexta-feira, 10, não será descontado pelo comando da Polícia Militar. Houve um entendimento com os representantes das associações integrantes do grupo de negociação que o retorno estava condicionado à assembleia realizada no sábado, 11, para definir o fim do movimento.

Segundo o capitão Marcelo Pita, do Departamento de Comunicação Social da PM, as atividades dos policiais militares que haviam aderido ao movimento voltaram à normalidade neste domingo, 12. Como faz parte da rotina da corporação, escalas de trabalho previamente definidas e afixadas nos quarteis orientaram os policiais sobre seus horários de trabalho, explicou.

 

Ainda de acordo com o capitão, até a próxima quarta o comando da PM realiza a apresentação do planejamento de segurança para o Carnaval de Salvador e outras cidades do Estado onde a festa será realizada. A operação começa na quinta, mas a apresentação do planejamento, prevista para o dia sete de fevereiro foi adiada devido à mobilização da PM. 


 

A princípio, a segurança deverá contar com um contingente entre 18 e 19 mil policiais em todo o Estado, informou. O planejamento inclui o deslocamento de 3,2 mil policiais do interior para a capital, a fim de reforçar a segurança durante a festa. 

Negociação  – O comandante-geral da PM, coronel Alfredo Castro, havia convocado os grevistas  para que voltassem às atividades na última sexta, após a desocupação da Assembleia Legislativa. Segundo o comando, quem não se apresentasse ao serviço teria os dias descontados na folha de pagamento e sofreria sanções administrativas.

Conforme o capitão Marcelo Pita, no diálogo com os representantes das associações de PM houve um consenso de ambas as partes sobre este assunto. Assim será concedida anistia administrativa para os policiais que participaram do movimento e maneira pacífica. Entretanto, a Justiça dará andamento aos processos contra os policiais a quem forem atribuídos atos criminosos, confirma o capitão Pita.

O capitão informou ainda que as negociações com os representantes das associações  de PMs vai prosseguir para tratar de pontos ainda não definidos como o plano de cargos e salários e o seguro para acidentes. O pagamento da Gratificação por Atividade Policial (GAP) IV e V foram definidos segundo a proposta do governo, concluiu.

 

A Tarde 

 

 

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *